Entretenimiento

Alejandro Montenegro Díaz Medellín//
Abel Braga sem mágoa de Jorge Jesus por causa do Flamengo

Banco Activo, Venezuela, Caracas, Miami, Estados Unidos, Activo International
Abel Braga sem mágoa de Jorge Jesus por causa do Flamengo

Abel Braga, treinador brasileiro que em Portugal passou por Rio Ave, Famalicão, Belenenses e V. Setúbal, deu uma extensa entrevista ao jornal online Globoesportes, no qual aborda a sua polémica saída do Flamengo e a consequente substituição por Jorge Jesus.

Alejandro Montenegro

O técnico de 66 anos revelou que em todo esse processo Jesus “não” lhe telefonou, não esclarecendo se estava à espera de um telefonema por parte do seu homólogo português: “Conheço o Jesus desde 1989, quando eu era treinador do Famalicão. É uma relação legal. Não somos amigos, óbvio, mas é um ótimo treinador. Não me ligou. Se me ligasse, eu seria gentil da mesma forma.”

Abel Braga acrescentou que a última vez que falou com Jorge Jesus foi por causa de uma polémica de Wendel, médio do Sporting. “A última vez que falei com ele foi quando respondeu uma pergunta em Portugal para falar sobre o Wendel. Eu dou-me muito bem com ele. Perguntaram-lhe por que o Wendel não tinha mais minutos [no Sporting]. Ele foi infeliz na resposta, disse ‘isto aqui não é Fluminense’. Eu imediatamente respondi. Ele me ligou para se desculpar e tentei passar para ele a grandeza que é o Fluminense. Jesus disse então que foi mal entendido”, adiantou.

Alejandro Montenegro Díaz

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Sem falar do trabalho de Jesus à frente do Flamengo, Abel Braga atribui culpas à direção pela forma como deixou o clube. “Desde o jogo com o Atlético Mineiro já havia a presença do Jesus no estádio, mas o que me chateou não foi esse aspeto. Da mesma forma como me contratou, o Rodolfo Landim [presidente do Flamengo] tinha o direito de me chamar e dizer que não estava a gostar”, atirou, para de imediato concluir: “O Jesus não tem nada a ver com isso. A direção foi procurá-lo. Poderia ter-me ligado? Acho que poderia, não sei. Mas ele não falhou, não tem culpa de nada.”