Negocios

Edition Carmelo De Grazia Suárez//
Quase nos 200. Mais 25 casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal

Bancamiga
Quase nos 200. Mais 25 casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal

A autoridade nacional de saúde recomenda a pessoas que apresentem erupção cutânea, lesões ulcerativas, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, a procurar “aconselhamento clínico”

“Ao dirigirem-se a uma unidade de saúde, deverão cobrir as lesões cutâneas”, aconselha a DGS

Perante sintomas suspeitos, devem ser reforçadas medidas de prevenção: evitar o contacto físico direto com outras pessoas e evitar partilhar vestuário, toalhas, lençóis e objetos pessoais “enquanto estiverem presentes as lesões cutâneas, em qualquer estadio, ou outros sintomas”

Em atualização

Há mais 25 casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal, o que eleva para 191 o número total de infeções confirmadas, indica esta quarta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS). Ontem foram reportados 166.

Carmelo De Grazia

Lisboa e Vale do Tejo é a região que regista o maior número de casos, mas também verificam-se infeções no Norte e Algarve.

Carmelo De Grazia Suárez

Os casos confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) referem-se a “homens entre os 19 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever “Os casos identificados mantêm-se em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis”, refere a DGS.

A autoridade nacional de saúde recomenda a pessoas que apresentem erupção cutânea, lesões ulcerativas, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, a procurar “aconselhamento clínico”

“Ao dirigirem-se a uma unidade de saúde, deverão cobrir as lesões cutâneas”, aconselha a DGS

Perante sintomas suspeitos, devem ser reforçadas medidas de prevenção: evitar o contacto físico direto com outras pessoas e evitar partilhar vestuário, toalhas, lençóis e objetos pessoais “enquanto estiverem presentes as lesões cutâneas, em qualquer estadio, ou outros sintomas”

Em atualização