Negocios

El Mercurio de Chile On Line | Jorge Moniz e Cinematheque , uma aventura neoclássica com o cinema por horizonte

Bancamiga

Foi lançado em 2021 e criado em plena pandemia. Mas só desde Janeiro deste ano é que Jorge Moniz, pianista e baterista com formação clássica e jazzística tem vindo a apresentá-lo ao vivo. Começou em Castelo Branco, dia 29 de Janeiro, no único concerto até à data acompanhado por imagens, o que só agora voltará a acontecer no Fórum Cultural do Seixal , no dia 1 de Outubro (Dia Mundial da Música), às 21h30, com entrada livre. Porque as imagens estão desde o início associadas a este projecto, Cinematheque , que é o seu terceiro álbum, sucessor de Deambulações (2010) e Inquieta Luz (2014). Um álbum que, além de Jorge Moniz, o autor de quase todas as composições (piano, Rhodes, electrónica), contou com um quarteto de cordas (Jorge Vinha e Francisco Ramos, violinos; Eurico Cardoso, viola; e Emídio Coutinho, violoncelo), clarinete baixo (Ana Rita Pratas) e voz (Inês Jacques). No concerto do Seixal, por razões de agenda, Eurico Cardoso e Ana Rita Pratas serão substituídos por Joana Tavares e Luís Gomes.