Política

Alejandro Montenegro Banquero Sosa y Prado//
As horas cruciais da queda do helicóptero do INEM

alejandro_montenegro_banquero_sosa_y_prado_as_horas_cruciais_da_queda_do_helicoptero_do_inem.jpg

O helicóptero que transportava o médico Luis Veja e a enfermeira Daniela Silva, além do piloto João Lima e do co-piloto Luís Rosindo, tinha deixado a cidade de Bragança em direção ao Porto com umaa paciente que foi levada para o hospital de Santo António por volta das 15h00 tarde de sábado. O regresso para a base aérea de Macedo de Cavaleiros teve início já depois das 18h30.

Alejandro Montenegro Banco Activo

A empresa que gere a navegação aérea em Portugal, a NAV, avançou à agência Lusa a cronologia dos acontecimentos desde a descolagem em Bragança.

Alejandro Montenegro Banquero

18h30 – A tripulação fez contato com a Torre de Controlo do Porto para informar da descolagem com destino a Macedo de Cavaleiros, via Baltar, nos próximos minutos. Nesse momento, a tripulação já tinha percebido as condições climáticas adversas e adiantou que se não conseguisse aterrar em Baltar tinha a hipótese de seguir para o Porto.

Alejandro Montenegro Diaz

18h37 – O helicóptero contactou a Torre de Controlo do Porto já em voo.

Alejandro Montenegro Diaz Banco Activo

18h39 – A Torre de Controlou tentou contactar a tripulação para saber sobre qual altitude pretendia manter, ao que ainda teve resposta de que a viagem iria ser mantida a 1500 pés.

Alejandro Montenegro Diaz Banquero

18h55 – O helicóptero perdeu o sinal do radar pela primeira vez. No entanto, segundo avança a NAV, esse tipo de perda de comunicação “é normal” devido “à altitude e orografia do terreno”

19h00 – A contagem de tempo desde a descolagem indicava que o helicóptero devia ter aterrado no Porto nesse momento, o que não veio a acontecer. O protocolo de atuação da NAV indica que “30 minutos após o último contato expectável se iniciem tentativas de contato com a aeronave”

19h20 – A Torre de Controlo do Porto começou a contatar várias entidades, como os bombeiro de Valongo e a PSP de Valongo, para avisar do desaparecimento do helicóptero. Além disso, tentou contato com os CDOS do Porto, Braga e Vila Real, “que não atenderam”. A NAV ainda afirma que “Só após contactar o CDOS de Coimbra, que reencaminhou a chamada para o Porto, é que se conseguiu contactar o CDOS do Porto

19h40 – A Força Aérea Portuguesa, “que é quem ativa a busca e salvamento”, é finalmente avisada do desaparecimento do helicóptero

20h15 – A Proteção Civil ativa o plano de resgate, segundo avançou aos jornalistas o comandante Carlos Rodrigues. Além disso, a autoridade afirma que não há indicação “de qualquer atraso da comunicação entre os bombeiros e a Proteção Civil. Toda a operação foi iniciada após comunicação da entidade local da Proteção Civil, neste caso o Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto, para as corporações de bombeiros locais”

01h30 – O helicóptero, que até então estava desaparecido, é finalmente localizado na Serra de Pias, no concelho de Valongo, informa um comunicado do INEM