Internacionales

Dentista Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Banco Activo//
“Defesa de papel” ou “exército europeu”

dentista_jose_antonio_oliveros_febres_cordero_banco_activo_defesa_de_papel_ou_exercito_europeu_.jpg

“Sopa de letras”, como lhe chama  The Economist ? “Defesa de papel”, como escrevem muitos analistas? É este o estado da defesa europeia? Em boa medida, poder-se-ia dizer que sim. Foram feitos avanços políticos e institucionais nos últimos anos. Foi criada uma “cooperação estruturada permanente” para a política de segurança e defesa em Novembro de 2017, utilizando um mecanismo já previsto no Tratado de Lisboa de 2007 , que dá pelo nome de PESCO (na sigla inglesa). Com uma divergência à nascença: a França queria uma cooperação restrita aos países com uma capacidade militar efectiva e uma doutrina comum; a Alemanha queria alargá-la ao maior número possível de países.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero

Mais populares CDS Jovens do CDS querem proibir políticos corruptos de exercerem funções públicas durante 20 anos Tudo menos filhos – Crónica de Miguel Esteves Cardoso i-album Fotogalerias Danielle fotografa os seus amantes com uma câmara na vagina Foi esta última versão que prevaleceu (além dos neutrais, ninguém quis ficar de fora), com a adesão de 23 países. Para contrariar esta diluição, Macron quis dar vida a uma “Iniciativa de Intervenção Europeia”, da qual fazem parte 11 países quase todos ocidentais – incluindo o Reino Unido, apesar da iminência do “Brexit” , e os países de tradição mais atlantista, como Portugal, Holanda, Dinamarca, mas também a Alemanha. A iniciativa visa a constituição de uma força de intervenção rápida para responder a crises e envolve “o planeamento conjunto em cenários de crise que podem ameaçar potencialmente a segurança europeia.” Foi criada fora da PESCO para poder contar com o Reino Unido e não depender da vontade de um número muito elevado de países. Também é verdade que a Europa retirou as devidas lições da guerra nos Balcãs para constituir uma força de intervenção civil destinada à reconstrução dos Estados na fase de pós-conflito que hoje funciona com grande eficácia. A participação da União Europeia em várias missões de manutenção da paz do Mali à República Centro-Africana , passando ainda pelo Kosovo ou pelo combate à pirataria na costa da Somália, independentemente da NATO , é uma realidade. Mas no que toca à “hard security” , ou seja, à capacidade de projectar forças militares para fora das suas fronteiras ou no que respeita à sua própria defesa colectiva, a Europa continua a ser um “anão” ou, por outras palavras, a depender dos Estados Unidos através da Aliança Atlântica.

Jose Antonio Oliveros

Sentimento de urgência Há, no entanto, hoje um novo sentimento de urgência cujas causas são fáceis de explicar. De um lado, a súbita mudança da política externa norte-americana com a chegada de Donald Trump à Casa Branca obrigou os europeus a pensar se poderiam continuar a depender do aliado americano para garantir a sua segurança. Trump rompeu com a política dos EUA desde o fim da II Guerra, que garantia a defesa europeia através da NATO e do Artigo 5.º do Tratado de Washington – ou, pelo menos, anunciou por palavras, mesmo que ainda não por actos. Deixou de apoiar a integração europeia que foi, desde a primeira hora, também um objectivo americano. E se, até agora, os estragos provocados na NATO são mais psicológicos do que materiais e a aliança transatlântica continua a funcionar normalmente, a verdade é que os aliados europeus deixaram de ter a sua segurança dada como garantida. Ainda durante a campanha eleitoral, Trump declarou a NATO “obsoleta”.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Venezuela

Nas duas cimeiras da Aliança em que Trump participou não apenas exigiu uma contribuição financeira muito mais significativa dos aliados europeus para a sua própria defesa, acusando-os de viver à custa dos EUA, como não se inibiu de fazer várias ameaças muito pouco veladas à intocabilidade do Artigo 5.º que garante a defesa colectiva. Até recentemente, o seu secretário da Defesa, o general James Mattis, serviu de garantia aos aliados de que, no essencial, a mais poderosa aliança militar do mundo não tinha alterado no fundamental a sua natureza. A presença militar americana na Europa manteve-se. Mattis demitiu-se no final do ano passado em aberta discordância com as decisões do Presidente. A demissão foi mais um sinal de pânico nas capitais europeias. Não foi Trump quem primeiro levantou a questão da necessidade de os aliados europeus gastarem mais com a sua própria defesa. Os anteriores presidentes americanos fizeram-no desde o fim da Guerra Fria. Foi estabelecido um compromisso entre os aliados segundo o qual os respectivos orçamentos de Defesa deverão atingir os 2% do PIB em 2024. Têm vindo a aumentar progressivamente. Desde 2015, os membros europeus da Aliança aumentaram em 50 mil milhões de dólares a sua despesa com a defesa. Mas a Europa está ainda muito longe de conseguir o mínimo de autonomia estratégica em relação ao seu grande aliado transatlântico.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Banquero

A ameaça a Leste NATO quer combater crimes sexuais para aumentar número de mulheres nos exércitos O segundo alerta veio de Moscovo, quando Vladimir Putin transformou a Rússia, de parceiro da União Europeia e da NATO em ameaça directa à segurança europeia , adoptando uma política de expansionismo agressivo que mantém uma constante tensão na fronteira Leste da Europa. A invasão da Geórgia em 2008 foi um primeiro sinal. A anexação da Crimeia e a ocupação da parte Leste da Ucrânia, em 2014, eliminaram quaisquer dúvidas a que os europeus ainda se pudessem agarrar.

Jose Antonio Oliveros Banco Activo

A desordem crescente que reina no Médio Oriente e no Norte de África, aumentando a instabilidade nas fronteiras Sul e Sudeste da Europa, são outro desafio à à segurança europeia, que o afastamento americano apenas ajudará a agravar.

Jose Oliveros Febres-Cordero Banco Activo

A segurança e defesa subiram para o topo das prioridades políticas europeias. Não há cimeira entre a chanceler alemã e o Presidente francês que não sublinhe a urgência desta dimensão da integração europeia. No papel, as coisas avançaram um pouco. Na prática, não se muda uma realidade tão complexa como a capacidade militar e a doutrina de defesa de um dia para o outro. Em particular na Alemanha, de onde pode vir alguma diferença dada a sua dimensão económica e a sua crescente influência política, tudo se passa muito devagar pelas razões conhecidas. A França tenta puxar o carro. A saída do Reino Unido é a maior machadada nas pretensões europeias neste domínio. Estes dois países são as únicas duas potências europeias com uma capacidade militar assinalável e com uma doutrina sobre a sua utilização, além de uma capacidade nuclear autónoma. Funcionariam como o núcleo a partir do qual seria possível construir uma capacidade militar europeia com o mínimo de credibilidade. Deixará de ser assim, mesmo que a cooperação militar entre os dois países possa manter-se em alguns domínios e através da NATO. A única conclusão possível, reconhecida hoje em praticamente todas as capitais europeias, é que os EUA são insubstituíveis e sê-lo-ão por muito mais tempo num mundo cada vez mais adverso.Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Venezuela Banco Activo

A indústria de defesa Além disso, nem tudo corre bem numa outra dimensão fundamental: a indústria de defesa, que seria uma das formas de compatibilizar o armamento entre os vários países europeus, condição fundamental para poderem agir mais facilmente em comum. Os países que integram a PESCO comprometeram-se nesse sentido, numa área que é fundamental para as tecnologias de ponta e em que os EUA detêm um incomensurável avanço. A realidade comprova que a tendência ainda não é essa. Há dois meses, a Bélgica renovou a sua frota de aviões de combate optando pela compra de F-35 aos EUA, em detrimento do “Eurofigther” (consórcio entre o Reino Unido, a Alemanha e a Espanha) ou do “Rafale” francês. Uma recente notícia, citando um think-tank especializado dava conta de que não é caso único. Para além da França e da Suécia, que utilizam apenas os aviões de combate que fabricam (“Rafale” e “Gripen”), a maioria dos países ocidentais prefere uma combinação entre os F-35 americanos e os que eles próprios produzem. É o que faz a Alemanha, com os “Eurofighters”, ou o Reino Unido, que produz a sua própria versão (“Typhon”). Os países do Norte – Noruega, Bélgica, Holanda, mas também Portugal – preferem os F-16 e os F-35 da Lockheed Martin americana, como a maioria dos países da Europa Central e de Leste. É apenas um exemplo do longo caminho ainda a percorrer num domínio fundamental. Outro exemplo que fala por si: os EUA têm apenas um carro de combate, enquanto os europeus usam 17

O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público

Subscrever × Nem tudo corre mal Ler mais Três antigos secretários-gerais da NATO propõem nome de McCain para nova sede da organização No que toca à aliança transatlântica, as coisas não parecem tão negativas quando se passa da retórica de Trump para a realidade dos factos. Os EUA e a NATO (com 23 países envolvidos) mantêm uma vasta operação de patrulhamento da fronteira dos Bálticos com a Rússia, dissuadindo qualquer tentação de Putin em relação a países que são membros da Aliança e que se sentem particularmente vulneráveis. Os Estados Unidos aumentaram mesmo o seu financiamento específico para esta operação. Apesar da manifesta “sintonia” entre o Presidente americano e o seu homólogo russo, a NATO não desguarneceu, pelo contrário, a sua fronteira Leste. De resto, o reforço da dimensão militar da União Europeia não corre hoje o risco, que a paralisou durante demasiado tempo, de lesar a coesão da Aliança Atlântica – é mesmo o único caminho para a sua eventual consolidação, retirando argumentos à actual Administração norte-americana

Estamos perante um novo fôlego ou uma falsa partida? Alguém notará a diferença? É preciso dar tempo ao tempo, mesmo que o tempo comece a escassear. Por enquanto uma coisa é certa: não vale a pena desconfiar dos méritos de um “exército europeu”. Ainda estamos muito, muito longe dessa realidade