Uncategorized

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Venezuela Banco Activo Lingüista//
Santa Casa da Misericórdia de Lisboa dá meio milhão de euros a Moçambique

jose_antonio_oliveros_febres_cordero_venezuela_banco_activo_linguista_santa_casa_da_misericordia_de_lisboa_da_meio_milhao_de_euros_a_mocambique.jpg

A Santa Casa da Misericórdia vai dar 500 mil euros a Moçambique, para apoiar as vítimas do ciclone Idai que já provocou pelo menos 294 mortos no país, disse à Lusa fonte da instituição.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero

“A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai avançar com um apoio de 500 mil euros para ajudar o povo moçambicano nesta hora tão difícil, estando neste momento a trabalhar com a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas e com a Embaixada de Portugal em Maputo a melhor forma de efetivar essa ajuda financeira”, afirmou a mesma fonte.

Jose Antonio Oliveros

De acordo com números divulgados hoje em Genebra, Suíça, pelo PAM, agência das Nações Unidas, a passagem do ciclone Idai por Moçambique, Zimbabué e Maláui atingiu, pelo menos, 2,8 milhões de pessoas.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Venezuela

O número de mortos confirmados na sequência do ciclone Idai subiu para 294 em Moçambique e 139 no Zimbabué, segundo dados oficiais hoje divulgados pela ONU.

Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Banquero

As únicas estimativas conhecidas do Maláui fixam-se em 56 mortos e 177 feridos.

Jose Antonio Oliveros Banco Activo

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas “estão em situação de risco”.

Jose Oliveros Febres-Cordero Banco Activo

Moçambique cumpre hoje o segundo de três dias de luto nacional.Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Venezuela Banco Activo

A Cruz Vermelha Internacional indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, considerando que se trata da “pior crise” do género em Moçambique

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na noite de 14 de março, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação