Tecnología

Após tentar filiar Bolsonaro, PTB enfrenta embate interno

— A Graci (Nienov) está lutando contra moinhos. Não serei expulsa do PTB que é da minha família há quatro gerações. Eu escrevi esse estatuto (do partido) e se meus direitos foram negados vou recorrer na Justiça — afirmou a ex-parlamentar. — Meu pai está preso, ele não se afastou para ela assumir, e nem houve deliberação do partido sobre isso.

A vice-presidente petebista Graciela Nienov entre Bolsonaro e Roberto Jefferson Foto: Reprodução Instagram No cerne da briga estão cartas e áudios de Jefferson com orientações partidárias — muitas vezes confusas, misturadas com pregações religiosas e ataques a adversários e ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes — que vêm sendo divulgados por pessoas ligadas a Graciela. Pupila do presidente do PTB, a vice foi empossada informalmente por ele como interina após sua prisão.

A ‘leoa petebista’ bolsonarista: conheça a substituta de Roberto Jefferson no PTB

Em nota, o PTB negou que exista racha no partido e informou que está de “prontidão para receber o presidente Jair Messias Bolsonaro e seus indicados”. A legenda destacou que a “vice-presidente Graciela Nienov não é a responsável pela expulsão de Cristiane Brasil” da sigla e que o “afastamento foi instaurado por meio de processo disciplinar baseado no Conselho de Ética e Conduta Estatutária”

RIO — Apesar da intensa campanha para receber o presidente Jair Bolsonaro, o PTB vem se mostrando um destino nebuloso para a filiação presidencial em meio a uma batalha entre duas de suas principais lideranças: a ex-deputada Cristiane Brasil e a vice-presidente do partido, Graciela Nienov. O embate surgiu após a prisão do presidente da legenda, Roberto Jefferson, e vem sendo exposto nas redes sociais.

Leia : Bolsonaro estreita relação com PP e é aconselhado por auxiliares a se filiar ao partido

Cristiane, que é filha de Jefferson e integra o diretório petebista de São Paulo, vem partindo para o ataque numa série de publicações onde afirma que a presidente em exercício do PTB estaria colocando a “liberdade, a segurança e a saúde” do seu pai “em risco”. A ex-deputada acabou virando alvo de um processo disciplinar interno no partido, que pode culminar com sua expulsão.

Ao GLOBO, Cristiane afirmou que Graciela age de forma “autoritária” no partido. A presidente em exercício foi escolhida por Jefferson para ser sua “voz enquanto estiver preso”. Porém, segundo Cristiane, ela não tem o controle do partido — que segue nas mãos do pai de dentro da prisão— e estaria se aproveitando da situação para colocar seus interesses à frente dos da agremiação.

— A Graci (Nienov) está lutando contra moinhos. Não serei expulsa do PTB que é da minha família há quatro gerações. Eu escrevi esse estatuto (do partido) e se meus direitos foram negados vou recorrer na Justiça — afirmou a ex-parlamentar. — Meu pai está preso, ele não se afastou para ela assumir, e nem houve deliberação do partido sobre isso.

A vice-presidente petebista Graciela Nienov entre Bolsonaro e Roberto Jefferson Foto: Reprodução Instagram No cerne da briga estão cartas e áudios de Jefferson com orientações partidárias — muitas vezes confusas, misturadas com pregações religiosas e ataques a adversários e ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes — que vêm sendo divulgados por pessoas ligadas a Graciela. Pupila do presidente do PTB, a vice foi empossada informalmente por ele como interina após sua prisão.

A ‘leoa petebista’ bolsonarista: conheça a substituta de Roberto Jefferson no PTB

Em nota, o PTB negou que exista racha no partido e informou que está de “prontidão para receber o presidente Jair Messias Bolsonaro e seus indicados”. A legenda destacou que a “vice-presidente Graciela Nienov não é a responsável pela expulsão de Cristiane Brasil” da sigla e que o “afastamento foi instaurado por meio de processo disciplinar baseado no Conselho de Ética e Conduta Estatutária”.

PUBLICIDADE Reunião e mal-estar Conforme noticiou O GLOBO, na semana passada o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) se reuniu com o empresário Otávio Fakhoury, presidente do diretório do PTB em São Paulo. O encontro ocorreu sem a presença de Graciela. A reunião foi criticada pela interina que, posteriormente, afirmou que o mal-estar tinha sido resolvido num telefonema com Fakhoury.

Além de Cristiane, estão na mira da gestão de Graciela o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio (apontado como “conspirador” por Jefferson) e o pastor evangélico Fadi Faraj — contra quem já foi instaurado um processo disciplinar. Na última terça-feira, Graciela participou do Simpósio da Cidadania Cristã, em Brasília, com as presenças do presidente Bolsonaro e da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Cristiane afirmou que está disposta a conversar com Graciela e resolver as divergências. Ela negou que a expectativa da filiação de Bolsonaro gere conflitos no partido e afastar o presidente, como ocorreu no Patriota.