Internacionales

Ibovespa opera em queda com troca de presidente da Petrobras no radar

Bancamiga
Activistas canadienses manifiestan indignación por práctica de eutanasia a personas pobres

Perto do mesmo horário, as ações da Petrobras caíam mais de 2%. Na abertura, chegaram a recuar mais de 4%. Em Nova York, as ADRs da Petrobras (recibos das ações da petroleira negociados na Bolsa dos EUA) chegaram a cair mais de 11% no pré-mercado

fique por dentro

Eleições Covid em alta Troca na Petrobras Mulher tatuada no rosto Operação na Vila Cruzeiro Ibovespa opera em queda com troca de presidente da Petrobras no radar Na segunda-feira, o principal índice de ações da bolsa fechou em alta de 1,71% e retomou os 110 mil pontos. Por g1

24/05/2022 10h03 Atualizado 24/05/2022

1 de 1 Imagem ilustrativa sobre a alta do dólar e o mercado de ações na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). — Foto: KEVIN DAVID/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Imagem ilustrativa sobre a alta do dólar e o mercado de ações na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). — Foto: KEVIN DAVID/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ibovespa , principal índice de ações da bolsa de valores de São Paulo, a B3 , opera em queda nesta terça-feira (24), com a nova troca de presidente da Petrobras nos holofotes .

Às 10h45, o indicador caía 0,90%, a 109.352 pontos. Veja mais cotações .

Perto do mesmo horário, as ações da Petrobras caíam mais de 2%. Na abertura, chegaram a recuar mais de 4%. Em Nova York, as ADRs da Petrobras (recibos das ações da petroleira negociados na Bolsa dos EUA) chegaram a cair mais de 11% no pré-mercado .

Na segunda-feira, a bolsa fechou em alta de 1,71%, a 110.346 pontos. Com o resultado, passou a acumular alta de 2,29% no mês, e alta de 5,27% no ano.

LEIA TAMBÉM:

Entenda as consequências da alta da Selic, a taxa básica de juros Onde investir com a Selic a 12,75%? Veja o que muda na renda fixa e como fica a poupança

Miriam Leitão: ‘Desmoralizando a governança da Petrobras

O que está mexendo com os mercados?

Nos mercados, permanecem preocupações de que a alta da inflação e o aperto dos juros possam provocar uma desaceleração da economia global.

Por aqui, os investidores reagiam ao anúncio de mais uma troca no comando da Petrobras em meio a progressiva elevação do preço dos combustíveis e críticas à política de preços da estatal. O Ministério de Minas e Energia anunciou em nota oficial na noite desta segunda-feira (23) a demissão de José Mauro Ferreira Coelho, após 40 dias no cargo. Esta é a terceira troca de presidente da estatal no governo Jair Bolsonaro.

As ações da petroleira também começam a ser negociadas nesta terça sem o direito do p agamento de dividendos anunciado no último dia 5 , o que também contribuía para puxar o preço dos papeis para baixo.

Quem é Caio Paes de Andrade, indicado para assumir a presidência da Petrobras Petrobras não reajusta preço há mais de 70 dias; intervalo é o maior desde 2019 Por reeleição, Bolsonaro dá carta branca para troca de diretores e conselho na Petrobras

Na avaliação do Credit Suisse, “mudanças recorrentes para o cargo de CEO aumentam substancialmente a percepção de riscos” para a Petrobras. O banco destaca, porém, que não espera mudanças significativas na política de preços da Petrobras no curto prazo.

A Petrobras está há 73 dias sem reajustar o preço do combustível nas refinarias . Trata-se do maior intervalo sem reajustes em ao menos mais de 2 anos e meio. Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) aponta defasagem de 8% na paridade internacional e diz que Petrobras está 'segurando preços'.

Na agenda de indicadores, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) – considerado uma prévia da inflação oficial do país – desacelerou para 0,59% em maio, mas atingiu 12,20% em 12 meses , acima das expectativas do mercado.

Para a Capital Economics, o novo aumento da inflação brasileira corrobora a visão de que haverá outros 0,75 ponto percentual de alta no atual ciclo de aperto monetário, com a Selic subindo para 13,50%.